Na última sexta-feira (15), a cidade de São Félix recebeu o pré-candidato ao Governo do Estado da Bahia, ACM Neto, que visitou os municípios do Recôncavo baiano. O poder executivo municipal sempre foi aliado ao grupo de oposição do atual governo do Estado da Bahia, o Partido dos Trabalhadores (PT).  

A visita foi marcada por uma caminhada e pronunciamentos de apoio ao Carlista. Nas redes sociais, o vereador de oposição Eliton Lafite (PSD) publicou um texto e um áudio de uma servidora pública de prenome Rita.  O texto do vereador  diz:   

“É lamentável e indignante, em pleno século 21, nos depararmos com posturas extremamente ARBITRÁRIAS e IRRESPONSÁVEIS adotadas por prefeitos, secretários e gestores públicos que querem se valer do cargo que ocupam para OBRIGAR enfermeiros, técnicos, odontólogos e demais funcionários públicos comissionados e prestadores de serviços a saírem dos seus locais de trabalho deixando assim a população desassistida quanto aos atendimentos nos postos de saúde, pois os mesmos foram fechados meio dia para obrigatoriamente prestigiarem o "comício" do candidato ACM Neto hoje no município de São Félix. Prefeito, Secretários, Diretores, Coordenadores é necessário que VCS entendam que os departamentos públicos que administram momentaneamente NÃO são uma extensão das suas casas para acharem que poderão adotar de tais medidas como a ocorrida no áudio na qual compartilho com a população, a fim de que posturas como essas possam ser veementemente coibidas e impedidas de serem repetidas por vossas senhorias.

Oriento que os funcionários que se sentirem prejudicados, coibidos possam prestar queixa na promotoria pública e adentrem com ação judicial, a fim de serem ressarcidos moralmente por tal atitude adotada pela coordenadora da Atenção Básica de Saúde, a Sra. Rita.”

A Rádio e TV Web Olha a Pititinga entrou em contato com a assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de São Félix, que nos enviou a seguinte nota: “ Essa denúncia não condiz com a realidade. Em nenhum momento houve postura arbitrária e irresponsável como está escrito no texto do vereador. Ninguém obrigou ninguém a ir a lugar algum. Vemos essa postura do vereador como politicagem e uma denúncia infundada. Basta ouvir o áudio com atenção e sem partidarismos e vai perceber que não existiu nada do que se refere o vereador.”